es Español

Chegou o “momento Libra” do Banco Central Europeu para o euro digital

"O Banco Central Europeu acaba de anunciar que está realizando um projeto formal de pesquisa para finalmente decidir se vai lançar um euro digital de varejo. É o 'momento Libra' do Banco Central Europeu."
Partilhar no Twitter
Partilhar no LinkedIn
Partilhar no Facebook
Compartilhar no email

Em 19 de junho de 2019, o Facebook anunciou sua intenção de lançar sua criptomoeda Libra. Foi o início de um terremoto de reações de autoridades monetárias de todo o mundo, agravadas apenas pela comunicação, pouco tempo depois, de que a China se preparava há anos para lançar um yuan digital, um CBDC emitido para todos os públicos pelo Banco Central da China.

Dois anos depois, o Banco Central Europeu acaba de anunciar que está realizando um projeto formal de pesquisa para finalmente decidir se lançará um euro digital de varejo. É o "momento Libra" do Banco Central Europeu. A partir de agora começa um período de dois anos estudar os aspectos mais técnicos de seu design, estrutura, adequação regulatória e casos de uso, sem ter tomado a decisão política de o lançar.

Desde as primeiras intenções com o "Relatório sobre o euro digital", as obras de análise de experimentação anterior eles não cessaram e eles confirmaram a validade técnica dos pressupostos e requisitos dos princípios do primeiro documento. Estes trabalhos de experimentação validaram a usabilidade combinada de infraestruturas existentes como TIPS e estruturas de blockchain, a possibilidade de efetuar pagamentos na escala necessária e adicionar funcionalidades de programabilidade com smart contracts. Eles testaram modelos CBDC com base em contas e em fichas, soluções de identificação em conformidade com a privacidade foram exploradas e testadas em dispositivos não conectados para permitir transações off line.

O trabalho que temos pela frente envolve principalmente o desenvolvimento de funções no nível do usuário que são úteis para adoção, enquanto se aprofunda nos desenvolvimentos técnicos de sua arquitetura e distribuição. E, claro, ao analisar as características de o euro digital ser um meio de pagamento e não uma reserva de valor, e como será distribuído fora da zona monetária do euro.

Ainda há muito trabalho a ser feito para projetar um euro digital que seja compatível com a moeda corrente do banco e que ao mesmo tempo não paralise a inovação nos pagamentos (princípio “não prejudique ”) que requer conectividade e transacionalidade online y modo offline com novos dispositivos digitais. Sem dúvida, nos próximos dois anos, veremos inovações em pagamentos com novas plataformas digitais distribuídas e resta saber o papel que as criptomoedas terão, se o fizerem, especialmente stablecoins.

Meu entendimento é que as análises de caso de uso serão de uma ordem semelhante àquelas que a Accenture está conduzindo em conjunto com o Fundação Digital Dollar para o caso de um dólar CBDC. Talvez o trabalho que vem sendo realizado por plataformas de pagamento como a BIZUM na Espanha também seja uma boa aproximação, que embora restrita aos pagamentos móveis está gradativamente incluindo novas operações e pretende chegar a 20 milhões de usuários na Espanha. Será também necessário analisar a compatibilidade com plataformas de pagamento como a European Payment Initiative (EPI), ainda em estudo, com o próprio euro digital. EPI é uma iniciativa conjunta dos principais bancos europeus para promover pagamentos conta-a-conta e também através de um cartão europeu, com o objetivo de criar um campeão europeu de pagamentos, algo que não existe diante do domínio das gigantes americanas dos cartões ou do crescente controle dos pagamentos por meio de telefones celulares da Apple e do Google com seus gateways de pagamento.

A inclusão de casos de uso por meio de grandes plataformas norte-americanas ou chinesas será fundamental, BigTechs, porque não existem plataformas de tecnologia europeias comparáveis. Não parece concebível um euro digital que faça parte do quotidiano dos europeus e que não circule nas grandes BigTechs. Lá, no entanto, a força do BCE será sentida muito mais do que a dos bancos comerciais em suas negociações individuais para o uso de seus cartões, e as BigTechs terão que ser regulamentadas em suas atividades como provedores de pagamento.

Portanto, há muito trabalho a ser feito em cada país específico, porque o euro digital tem que ser adaptado aos cidadãos de cada país. Sem esquecer que o euro digital deve ser a espinha dorsal da vida econômica e social dos europeus e, portanto, os casos de uso devem ser expandidos. transfronteiriço com outros países europeus. Uma terceira etapa é decidir quais são os casos de uso transfronteiriço y moeda cruzada, possivelmente o aspecto ainda menos estudado, visto que a análise do CBDC até agora tem assumido mais dimensões do mercado interno de cada país.

O BCE anunciou a intenção de criar um Grupo de Aconselhamento de Mercado (MAG) constituído por profissionais que aconselham sobre os trabalhos a desenvolver nesta fase de estudos. Este MAG deve contemplar esta tipologia tripla de casos de uso com amplitude suficiente para coletar a riqueza de casos que cada país necessita.

Finalmente, como todos os projetos, a definição do sucesso desta fase de estudo deve ser estabelecida ex ante, uma vez que representa a referência contra a qual medir o progresso e o resultado final obtido.

  • Casos de uso comprovados e alinhamento com partes interessadas envolvidos.
  • Confirmação da escalabilidade operacional das transações.
  • Disponibilidade tecnológica, tanto ao nível de infraestruturas como de dispositivos.
  • Esboço de um plano de lançamento.

Depois de chegar aqui com sucesso, a decisão política que o lançamento do euro digital implica terá de ser tomada. Para tal, o sector bancário deve ter definido um modelo de convivência futura (aliás, já existem iniciativas a este respeito) e o euro digital deve ter definido uma política externa, não apenas a sua utilização limitada, compatível com o numerário, nos países da UE em convivência com o sistema bancário e permitindo a inovação privada.

Se o artigo foi interessante para você,

Convidamos você a compartilhar nas Redes Sociais

Chegou o “momento Libra” do Banco Central Europeu para o euro digital
Partilhar no Twitter
Twitter
Partilhar no LinkedIn
LinkedIn
Partilhar no Facebook
Facebook
Compartilhar no email
Email

Deixe um comentário

Este site usa o Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados de comentário são processados.

Contato

Preencha o formulário e alguém de nossa equipe entrará em contato com você em breve.