es Español

O Plano de Recuperação, Transformação e Resiliência e digitalização: estamos prontos?

“Publicamos o resumo da sessão sobre O Plano de Recuperação, Transformação e Resiliência e digitalização, com Ángel Sánchez Aristi (Ministério de Assuntos Econômicos e Transformação Digital e Diego Pérez Martínez (AiReF) que a Fide organizou em 19 de maio passado”
Partilhar no Twitter
Partilhar no LinkedIn
Partilhar no Facebook
Compartilhar no email

A transformação digital é hoje um dos pilares básicos do programa Next Generation EU da União Europeia para, entre outros marcos, modernizar o tecido industrial e realizar iniciativas de ponta em áreas como mobilidade, ciência e inovação, infraestrutura ou administração pública .

Nesta linha, o Plano de Recuperação, Transformação e Resiliência aprovado em Conselho de Ministros em 27 de abril inclui -entre os seus quatro eixos transversais- a transformação digital, que se projeta numa das suas “políticas de alavanca”: “Modernização e digitalização do ecossistema de nossas empresas ”.

Por seu turno, no âmbito da digitalização das Administrações Públicas, o Diário Oficial do Estado de 31 de março de 2021 publicou o Real Decreto 203/2021, de 30 de março, que aprova o Regulamento da ação e funcionamento do setor público por via eletrónica.

Na sessão que a Fide organizou em 19 de maio, o Angel Sánchez Aristi, Diretor Geral de Digitalização e Inteligência Artificial, do Ministério da Economia e Transformação Digital, e Diego Pérez Martínez, Diretor da Divisão Jurídico-Institucional da Autoridade Independente de Responsabilidade Fiscal (AIReF) e Procurador do Estado.

O Diretor-Geral de Digitalização e Inteligência Artificial, começou por expor a situação e o futuro da digitalização das PMEs e da formação em competências digitais.

29% dos investimentos do Plano de Recuperação, Transformação e Resiliência destinam-se à transformação digital e incluem o plano de digitalização das PMEs, o Plano Nacional de Competências Digitais e a Estratégia Nacional de Inteligência Artificial.

O Diretor-Geral centrou a sua apresentação no Digital Toolkit Program (DTK) e no Plano FUTUR @ (Youth Employment Shock Plan - Digital Skills).

O Digital Toolkit Program (DTK) visa implementar a concessão de subsídios a empresas em concorrência não competitiva, até ao esgotamento dos fundos, para a implementação de determinados pacotes básicos de digitalização, denominados DTK Packages, que lhes permitem um avanço significativo no seu Digital Nivel de maturidade. Os seguintes Pacotes DTK foram inicialmente identificados: (i) Marketing Digital; (ii) Comércio eletrônico; e (iii) Administração de empresas digitais.

Os agentes facilitadores do Programa DTK são os Escritórios AceleraPyme, Câmaras de Comércio, Redes de Apoio à Digitalização, consórcios público-privados, associações setoriais, etc.

Relativamente ao Plano FUTUR @ (Plano de Choque no Emprego Jovem), este prevê várias iniciativas de formação de jovens em competências digitais para facilitar a sua inserção no mercado de trabalho.

Por sua vez, o Diretor da Divisão Jurídico-Institucional da Autoridade Independente de Responsabilidade Fiscal (AIReF) explicou os eixos do novo Decreto Real 203/2021, que aprova o Regulamento de atuação e funcionamento do setor público por meio de eletrônico Este Regulamento visa: (i) melhorar a eficiência administrativa para tornar efetiva uma Administração totalmente eletrônica e interconectada; (ii) aumentar a transparência da ação administrativa e a participação do cidadão; (iii) garantir serviços digitais de fácil utilização; e (iv) melhorar a segurança jurídica.

O Real Decreto 203/2021 regula: (i) Portais de Internet, Ponto de Acesso Geral eletrônico e Sede Eletrônica. Portais de Internet, Ponto de Acesso Geral Eletrônico e Escritórios Eletrônicos; (ii) o procedimento e processo administrativo por meio eletrônico; e (iii) relações e colaboração entre Administrações Públicas para o funcionamento do setor público por via eletrónica.

Após as intervenções iniciais, foi aberta uma discussão com todos os presentes na sessão que fizeram várias intervenções, com sugestões e contribuições, entre as quais se destacam:

  • Embora grandes projetos de transformação digital possam ser especialmente relevantes, projetos de atualização e renovação de tecnologia também devem ser promovidos, de modo a ajudar todas as PMEs a melhorar seu nível de desenvolvimento digital.
  • Em relação ao Digital Toolkit Program (DTK), é necessário que os critérios para determinar o nível de maturidade digital das empresas (níquel, bronze, prata, ouro e platina) sejam tornados públicos e geralmente conhecidos.
  • Na área do Plano de Recuperação, Transformação e Resiliência, a implementação de projetos digitais com a colaboração de empresas privadas exige o respeito pelos princípios da publicidade e da concorrência.
  • Quanto aos aplicativos e serviços eletrônicos do setor público estadual, é necessária uma interconexão real e efetiva, que garanta sua compatibilidade.

Se o artigo foi interessante para você,

Convidamos você a compartilhar nas Redes Sociais

O Plano de Recuperação, Transformação e Resiliência e digitalização: estamos prontos?
Partilhar no Twitter
Twitter
Partilhar no LinkedIn
LinkedIn
Partilhar no Facebook
Facebook
Compartilhar no email
Email

Deixe um comentário

Este site usa o Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados de comentário são processados.

Contato

Preencha o formulário e alguém de nossa equipe entrará em contato com você em breve.