es Español

ESG: A encruzilhada 'E' no setor bancário

"A própria contribuição do banco para a pegada de carbono está na energia de sua tecnologia e, devido à rede cada vez mais reduzida de agências, em todos os caso, é mínimo em comparação com outros setores"

A banca está sempre no centro das atenções da sociedade, pela sua relevância, pelo seu impacto, quando surgem os seus riscos ou os dos seus clientes, quando surgem os seus erros e, claro, em Espanha também deve sê-lo pelos seus sucessos. Por pior que seja a reputação bancária após a crise, a verdade é que na Espanha temos um setor financeiro muito maior do que deveríamos ser como país, eficiente como poucos e que agrega valor ao país e seus cidadãos. O seu papel na distribuição de recursos, desde os agentes que têm excedentes aos que precisam de fundos para financiar as suas casas, ou desenvolver a sua iniciativa empresarial, etc., é essencial para que a sociedade prospere.

Vamos refletir sobre o nova situação de risco/oportunidade para banca. Pode ser uma armadilha na encruzilhada e estará na mira da sociedade. Vamos ver se melhoramos ou pioramos sua reputação.

quero dizer o já conhecido ESG e em particular para o E (de Meio Ambiente) risco climático. Não é necessário perder muito tempo explicando a força que essa preocupação representa na sociedade, na política e na opinião pública dos países ocidentais. O impulso dos últimos anos é brutal, mas veremos se desacelera diante da situação energética decorrente da guerra.

Não há hipotecas de diesel, nem depósitos de clientes embrulhados em plástico. o A própria contribuição dos bancos para a pegada de carbono está na energia de sua tecnologia e pela rede de agências cada vez mais reduzida, ao longo caso, é mínimo em comparação com outros setores.

para bancos o desafio de sua contribuição para minimizar o risco climático de ESG é fator de oportunidade de negócio, risco, responsabilidade e conformidade regulatória. Em suma, um cocktail difícil de misturar. Sua eficiência depende da sociedade, da regulamentação e não independe da atitude estratégica que, como qualquer empresa, os bancos adotam nesse novo ambiente (entusiasmado, cético, ativo ou reativo).

  • Oportunidade. É evidente que a decisão keynesiana da UE de mobilizar fundos públicos e privados para a transição energética é uma oportunidade para a banca, aqueles que o capturarem melhor terão mais atividade nessa transição. Mas e os setores proibidos? Seu financiamento será abandonado? Pode-se mostrar que esses setores são financiados para minimizar seu impacto? Um abandono precipitado não parece lógico nem desejável e a banca já está neste ponto de gestão sob o escrutínio dos mercados, opinião pública e reguladores. A transparência exigida no relato, aliada ao nível ainda incipiente da metodologia, e em particular da taxonomia, ainda não permitem uma boa leitura do partido nesta dimensão transitória.
  • riscos. Logicamente intimamente relacionado com o acima, o banco também terá que gerencie a mudança em seu risco de crédito devido à evolução ambiental de sua carteira. Esta é uma dimensão de longo prazo, pois os modelos utilizados pelos bancos ainda não apresentam sinais de aumento da perda esperada por terem maior impacto ambiental. Intuitivamente parece claro que vai acontecer, mas ainda não está acontecendo.   A encruzilhada aqui é tomar decisões de risco com antecedência.
  • Responsabilidade com a sociedade. Esta situação não é nova. O problema ambiental não surge da atividade bancária, mas a atividade bancária será essencial para canalizá-lo e controlá-lo.  Sem um banco comprometido com esse objetivo, essa transição não será alcançada e mercados, reguladores e sociedade já estão exigindo essa responsabilidade. Está a acontecer o mesmo que aconteceu com a prevenção do branqueamento de capitais, é um problema da sociedade, em princípio alheio ao banco mas que, sem a sua colaboração, é impossível de gerir e controlar. Por isso, já se visualiza essa pressão, que certamente aumentará.
  • Observância. Por fim, e derivado de todos os itens acima, temos a conformidade regulatória. Em primeiro lugar, a conformidade do relatório visava mostrar a evolução da própria pegada de carbono e evitar o greenwashing, mas isso não é diferente ou problemático em comparação com outras empresas listadas. Em vez disso, nosso supervisor prudencial por excelência, o BCE, assumiu a bandeira de exigir rápida e vigorosamente uma adaptação a esta transição. De fato, relatórios muito mais específicos são exigidos não apenas dos bancos, mas também O BCE exige a clarificação da sua estratégia de negócio e transição e, sobretudo, a integração dos ESG na governação da gestão de risco. O nível de integração nesta fase preliminar é outra das encruzilhadas a serem resolvidas. O risco de precipitação, sem incentivos na regulamentação do capital sobre financiamento verde, e com o risco de que em algum momento o capital seja penalizado, ou a detenção de uma carteira de crédito de cor castanha, marca outra incerteza de gestão e, portanto, outra dimensão para incorporar no coquetel nesta encruzilhada.

Em suma, e num setor regulado, em cada banco, o compliance regulatório, como dizem os ingleses, deve ser um “must”. Veremos como evolui esse equilíbrio estratégico a ser realizado nas outras três dimensões. Como diriam os anglo-saxões, Monitoraremos o ROR de ESG (Responsabilidade, Oportunidade e Riscos) onde o momento correto de seu progresso será a chave para acertar e ser eficiente.

Alberto Calles Prieto

 sócio responsável pelos serviços de regulação financeira da PwC. Assessor Acadêmico de Fide

Artigo publicado originalmente no Blog O Contrafideinicial de Fide

Se o artigo foi interessante para você,

Convidamos você a compartilhar nas Redes Sociais

Twitter
LinkedIn
Facebook
E-mail

Deixe um comentário

Este site usa o Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados de comentário são processados.

Contato

Preencha o formulário e alguém de nossa equipe entrará em contato com você em breve.