es Español
"No projeto incansável da União Europeia nesta fase de competição geopolítica, seus valores e seu sistema regulatório são muito necessários"

TRIBUNA – O CORREIO (28 / 07 / 22)

ventania chega É quando nos preparamos. Um misto de inquietação, medo e expectativa move em mim a sensação que um acontecimento do mar, dos marinheiros, dos pescadores do Golfo da Biscaia traz. Já experimentei vários vendavais, alguns fortes, outros nem tanto, todos especiais. Quando chegará, em que instante o vento soprará? Aquele momento faz tudo parar e aquela mistura de medo e esperança retorna. Desculpe-me por escrever sobre minhas sensações e sentimentos, mas é verão. Venho do Golfo da Biscaia para o Mediterrâneo com dias em Madrid para o aniversário da minha mãe e para o trabalho europeu. O mar espera em movimento, com suas ondas batendo, com suas pontas felizes. Penso em Sorolla e como ele pintou essa luz que é cheia e, ao mesmo tempo, matizada.

A União Europeia está passando por tempestades. Quem me conhece sabe que gosto de me relacionar e que no meu trabalho de análise e explicação da política europeia, relaciono-me para tentar captar o que é a UE, o que faz e como. Seu modelo político e seu processo de integração. Seu projeto incansável nesta fase de competição geopolítica em que nossa marca de valores, união na diversidade, método decisório, equilíbrio, sistema normativo e regulatório, são muito necessários. Um tempo impulsionado em grande parte pelos Fundos de Recuperação com seus vetores de digitalização e o Pacto Ecológico Europeu. A próxima geração da UE está abrindo uma etapa histórica.

Mas, hoje quero falar dos vendavais, o momento em que o vento sopra. Quando cheguei ao País Basco e percebi que podia experimentar vendavais e dizer “o vento está rolando”, senti que dizer aquelas palavras poderosas era um presente. No momento em que o vento muda para noroeste, um frescor inunda tudo. O turbilhão dos ventos, o movimento dos galhos das árvores, dos objetos voadores e das pessoas na praia fechando os guarda-sóis, iluminam uma paisagem algures entre marítima e terrena em que o mar reina. Os navios medem sua capacidade de permanecer no mar ou retornar ao porto e tudo contém uma mensagem: vendaval, vendaval.

José María de Pereda recolhe em sutileza o vendaval da Glória Sábado de 20 de abril de 1885, pintando com palavras aquele que atingiu a costa e a dor em que mergulhou tantas famílias de pescadores. Uma placa na Rampa de Sotileza homenageia o protagonista de seu romance. A rampa une o Cabildo de Arriba em Santander com o mar. A emoção me domina.

Eu gosto dessa cor do céu mudando e mudando. Há um momento em que o calor do vento sul se mistura com o que vem do noroeste. As temperaturas caem entre dez e doze graus. É precisamente nesse momento que coloco sempre a cara a olhar para o mar, esteja onde estiver, veja o mar ou não o veja. É então que o cheiro do mar permeia tudo e chega uma sensação limpa, fresca e viva.

Quando minha filha tinha três anos, escrevi para este jornal “Quando tudo parar” na praia de Ea. Falei das suas marés, da maré alta que faz dançar os barcos do seu pequeno mas grande porto, balançar na água depois da maré baixa. Ainda não tive a honra, a alegria de escrever como colunista do El Correo. Hoje, de novo, o mar liga, monta, tempo.

A política também tem galernas. É necessário que tragam coisas boas. Um renascimento da política honesta e honrada. Acho que um vendaval político tem que preservar o que vale e refrescar o que precisa ser revisto e renovado. Deve ser capaz de mudar um governo que não funciona por um que funcione e dê uma resposta real, representativa e responsável aos votos dos cidadãos.

O partido que não naufragar depois do vendaval deve refrescar a política e refrescar-se. Faça o que vale a pena e quem vale a pena sobreviver, garantindo a sua permanência. Também para receber em seu porto novas pessoas valiosas que trazem vento fresco. A ideias e conteúdos expressos e trabalhados por excelentes profissionais em suas disciplinas e com força. Pessoas que realmente acreditam na política.

Gosto da expressão: galerna é uma palavra séria. Leio Rafael González Echegaray e vejo os vendavais de sua vida, de sua Literatura; a palavra galerna que vem da Galiza ao longo da costa cantábrica. Olho para o Mediterrâneo, tenho-o à minha frente, penso: você tem suas próprias tempestades. Sorrio para o Mediterrâneo, para o mar da minha infância que me acompanha na fila, na viagem da vida. Calmarias e tempestades se sucedem em todos os mares. O mar é mar. O mar escreve poesia e faz de todos nós um pouco de poetas.

Os vendavais trazem intuições. Uma mudança repentina de tempo, a cor cinza escura no céu, nuvens que delineiam o que está por vir. A política europeia é capaz de formular o que virá. Quando a política da UE é sincronizada com a política nacional, tudo se ameniza. Existe em todas as tempestades um centro de comando que é a gênese da própria tempestade, de onde ela se origina. Esse centro permanece.

Um vendaval político nunca pode tirar o que é constitucional. Quando a temperatura do confronto político cai, a qualidade da democracia aumenta. Obrigado por me permitir escrever sobre os vendavais da minha vida e o vendaval em que acredito.

Susana del Río Villar

Diretor do grupo de especialistas Convenção sobre o Futuro da Europa, Fide. diretor de ciclo Presidência espanhola do Conselho da UE

Artigo originalmente publicado como Tribuna no EL CORREO quinta-feira, 28 de julho de 2022

Se o artigo foi interessante para você,

Convidamos você a compartilhar nas Redes Sociais

Twitter
LinkedIn
Facebook
E-mail

Deixe um comentário

Este site usa o Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados de comentário são processados.

Contacto

Preencha o formulário e alguém de nossa equipe entrará em contato com você em breve.