es Español

Grupo de trabalho

Mudanças climáticas e transição energética

Por quê?

A Lei de Mudança Climática e Transição Energética é um instrumento fundamental para garantir o cumprimento dos compromissos da Espanha com a UE em matéria de energia e clima no âmbito do Acordo de Paris contra o aquecimento global.
 
A transferência do conjunto de compromissos assumidos a nível internacional e europeu exige que a Espanha seja dotada de um quadro regulamentar que inclua os objetivos de médio e longo prazo de redução das emissões de gases com efeito de estufa e que dê um sólido suporte jurídico ao planeamento em matéria energética.
 
Embora todos os grupos do arco parlamentar e da sociedade civil partilhem a necessidade de elaborar uma lei que estabeleça um quadro institucional estável nesta área, existem discrepâncias quanto ao seu conteúdo e âmbito.
 
O Grupo de Trabalho sobre Mudanças Climáticas e Transição Energética que se constituiu na FIDE tinha o objetivo fundamental de colaborar ativamente no debate de uma das poucas iniciativas legislativas que podem prosperar nos próximos dois anos.

publicações

Propostas do Grupo de Trabalho Fide: Projeto de Lei sobre Mudança Climática e Transição Energética

No dia 24 de janeiro de 2019 aconteceu a cerimônia de apresentação das «Propostas do Grupo de Trabalho Fide: Anteprojeto de Lei sobre Mudanças Climáticas e Transição Energética». 

No início do evento, intervieram: 

  • Cristina Jiménez Savurido, Presidente da Fide. Magistrado em licença 
  • Mariano Bacigalupo Saggese, Professor da Universidade, Departamento de Direito Administrativo da UNED. Membro do Conselho Acadêmico da Fide
  • Guillermina Yanguas Montero, Magistrado e Doutor em Direito 
  • Valentin Alfaya Arias, Diretor de Saúde e Segurança, Qualidade e Meio Ambiente da Ferrovial
As principais conclusões do grupo de trabalho são as seguintes: 
 
  1. A aprovação de uma Lei de Mudança Climática e Transição de Energia é um compromisso inevitável que não permite atrasos.
  2. O grupo de trabalho considera, em sua maioria, o momento ideal para a promulgação de uma Lei de Mudanças Climáticas e Transição Energética. A aprovação desta Lei é uma oportunidade para a Espanha transmitir uma imagem de país empenhado na luta contra as alterações climáticas.
  3. A luta contra as alterações climáticas e a transição energética representam uma oportunidade que Espanha não deve perder. É necessária uma transformação do modelo em que o crescimento econômico é desvinculado das emissões de gases de efeito estufa, embora seja essencial garantir que essa transição seja realizada sem colocar a Espanha em desvantagem em relação a outros países de sua região.
  4. A Espanha é chamada a ocupar uma posição de liderança no atual quadro sócio-político na luta contra as mudanças climáticas. A aprovação de uma Lei sobre Mudança Climática e Transição Energética pode ser um sinal claro desse papel que a Espanha quer desempenhar. Este protagonismo e liderança da Espanha na UE e no quadro internacional justifica-se, entre muitas outras razões, pela maior vulnerabilidade da Espanha aos efeitos das alterações climáticas.
  5. Há opiniões divergentes no grupo de trabalho sobre o grau de ambição da Lei de Mudanças Climáticas e Transição de Energia.
  6. No GTCCyTE, foi revelada uma disparidade de critérios em relação à neutralidade tecnológica. Assim, e perante aqueles que entendem que o LCCyTE deve determinar as tecnologias aplicáveis, outros membros defendem a necessidade de serem flexíveis na forma de atingir os objetivos estabelecidos, dada a incerteza quanto às tecnologias que podem ser utilizadas no futuro, sem que nada deveria ser proibido, uma vez que a realização dos objetivos poderia não apenas ser desnecessariamente onerosa, mas até mesmo sua realização poderia ser comprometida.
  7. Consenso e participação são essenciais para a aplicação adequada da Lei de Mudanças Climáticas e Transição de Energia. Mensagens que geram insegurança jurídica devem ser evitadas e um processo de transformação ordenado que evita relutância deve ser promovido.
  8. O Grupo de Trabalho considera que é necessário um maior comprometimento do setor público no combate às mudanças climáticas. As medidas contidas no LCCyTE afetam de forma decisiva o setor privado e não têm o mesmo grau de contundência em relação às políticas públicas.
  9. Uma reforma profunda da tributação ambiental é essencial. Embora o Projeto de Lei sobre Mudança do Clima e Transição Energética indique quais devem ser os objetivos desse sistema tributário, é necessário traduzir esses objetivos em uma verdadeira reforma tributária.
  10. Do ponto de vista técnico normativo, o Projeto de Lei sobre Mudança do Clima e Transição de Energia sofre de falta de uniformidade. A Lei de Mudanças Climáticas e Transição de Energia deve respeitar os princípios da boa regulação e deve ser acompanhada do relatório de análise de impacto regulatório correspondente.
 
A Lei sobre Alterações Climáticas e Transição Energética deve garantir o respeito pelos princípios do direito da União (como a livre circulação de mercadorias) e pelas competências atribuídas às diferentes administrações públicas e, em particular, às autónomas. 

itens relacionados

Conversas da Fide: Projeto de Lei sobre Mudança Climática e Transição de Energia

  • Valentine Alfaya, Diretor de Sustentabilidade da Ferrovial
  • Carlos de Miguel, Advogado na Uría Menéndez, Professor na Faculdade de Direito ICADE (Universidade Comillas)
Reproduzir vídeo

Diretores de Grupo

Valentin Alfaya Arias

Diretor de Sustentabilidade da Ferrovial

Mariano Bacigalupo Saggese

Professor Universitário do Departamento de Direito Administrativo da UNED. Membro do Conselho Acadêmico da Fide

Carlos de Miguel

Advogado. Professor da Faculdade de Direito do ICADE (Comillas University).

Luis Jesus Sánchez De Tembleque

Secretário Executivo da Associação Ibero-americana de Entidades Reguladoras de Energia (ARIAE), que congrega 27 entidades reguladoras de energia de 20 países ibero-americanos.

Guillermina Yanguas Montero

Magistrado e Doutor em Direito. Membro do Conselho Acadêmico da Fide.

Coordenação acadêmica: Emilia Malacalza

Contato

Preencha o formulário e alguém de nossa equipe entrará em contato com você em breve.