es Español

Fide'S 2º Congresso Internacional no Jesus College Oxford acontecerá no próximo mês de abril, nos dias 4, 5 e 6.

O tema central do congresso é Nacionalismo, populismo e identidades: desafios contemporâneos.. No contexto global, o crescimento do nacionalismo e do populismo é um dos maiores desafios enfrentados não apenas pela Europa, mas também pelas Américas do Norte e do Sul e Ásia-Pacífico. Isso pode ser uma força destrutiva se significar que os Estados se retraem para uma mentalidade isolacionista e se afastam de soluções multilaterais eficazes para problemas transfronteiriços percebidos.

O congresso analisará o nacionalismo e o populismo do ponto de vista jurídico e econômico. Abordaremos aspectos do iimpacto das políticas nacionalistas/populistas no financiamento dos regimes previdenciários sul-americanos onde houve pedidos inesperados de fundos para lidar com os efeitos do COVID-19

O Congresso também abordará outros temas transversais, utilizando painéis autónomos sobre as políticas de externalização dos refugiados da UE, questões relacionadas com as alterações climáticas (com referência específica ao resultado da Conferência das Partes (COP) 26 em novembro de 2021 em Glasgow), e desinformação e liberdade de expressão nas sociedades democráticas modernas.

Encontre aqui todas as informações sobre o Congresso' Grupo de Trabalho sobre QUESTÕES CONSTITUCIONAIS, LEGAIS OU DE GOVERNANÇA NO CONTEXTO DO NACIONALISMO

Resumo

Os populistas são majoritários. Opõem-se a leis, valores e instituições que, na sua opinião, impedem O desenvolvimento de políticas eficazes no domínio da saúde pela UE não é apenas uma necessidade derivada da pandemia que vivemos. É também um desafio que pode ajudar muito na construção não só de um espaço comum na saúde, mas também para travar as críticas dos movimentos nacionalistas e populistas contra o projeto da UE. A crise democrática e os riscos para o futuro projeto da UE estão diretamente relacionados com a sua agenda social e a saúde é, entre elas, uma das mais relevantes para os cidadãos. Pode concluir-se que avançar para uma UE com um quadro comum em saúde é avançar para uma UE com “boa saúde”.

  1. Nacionalismo e acesso global às vacinas Covid e, em geral, aos recursos de saúde no contexto de uma pandemia (ventiladores mecânicos e outros recursos de UTI).  
  2. Nacionalismo e regras e valores de priorização para acesso aos recursos de saúde. 
  3.  Conhecimento, ciência e dados em tempos de Coronavírus

Termos de referência

  1. Nacionalismo e acesso global às vacinas Covid e, em geral, aos recursos de saúde no contexto de uma pandemia (ventiladores mecânicos e outros recursos de UTI).  

As economias mais ricas do mundo, incluindo as da Europa, podem comprar estoques de vacinas e também recursos de UTI para beneficiar seus próprios cidadãos. Politicamente, é inevitável que o interesse próprio seja um fator importante, especialmente onde o financiamento para a pesquisa e desenvolvimento de uma vacina foi beneficiado pelo investimento público. Mas a pandemia global do Covid 19 não respeita fronteiras. É do interesse nacional que ações internacionais sejam tomadas para garantir que os países mais pobres também possam se beneficiar. A iniciativa Covax [1] é uma “colaboração global inovadora para acelerar o desenvolvimento, produção e acesso equitativo a testes, tratamentos e vacinas Covid 19…. para garantir acesso justo e equitativo para todos os países do mundo…” A UE e o Reino Unido assinaram apoiar a iniciativa Covax. Mas, segundo o Revista BMJ Global Health, essas metas estão sendo “ameaçadas à medida que as nações ricas firmam acordos bilaterais de compra com fornecedores de vacinas Covid 19…”. Uma reflexão semelhante deve ser focada nos recursos da UTI, considerando a experiência no início da pandemia de Covid. 

O grupo de trabalho é convidado a Considerar se existe uma ameaça do nacionalismo vacinal à partilha equitativa da produção e dos stocks de vacinas, tendo em conta os interesses e argumentos dos países que celebraram acordos bilaterais de compra, mas que ainda não aderiram à iniciativa Covax. Que mecanismos podem ser usados ​​para incentivar as nações que ainda não apoiaram o Covax, como os EUA? Quais etapas ativas devem FIDE Fundação recomenda? Uma reflexão semelhante deve ser feita em relação ao acesso global e alocação de recursos de UTI, como ventiladores mecânicos. 

  1. Nacionalismo e regras e valores de priorização para acesso aos recursos de saúde. 

No início da pandemia de Covid havia uma verdadeira crise ética em meio a uma crise de saúde como essa. Relacionava-se a diferentes propostas em diferentes Estados (no nível da UE, Itália e Espanha, e de uma região diferente, México) principalmente por associações médicas e equipes de trabalho sobre alocação de recursos de UTI e, entre eles, ventiladores mecânicos. Assim, faltou não só uma proposta comum da UE, mas também alguma proposta nacional baseada em critérios utilitários, sem considerar os princípios e valores consagrados na Carta dos Direitos Fundamentais da UE e nas constituições nacionais. Essas propostas utilitárias não contemplavam grupos vulneráveis, como pessoas com deficiência e idosos.

O grupo de trabalho é convidado considerar como deve se basear a alocação de recursos de saúde durante uma situação de escassez desse tipo de pandemia. A análise do ponto de vista ético, económico, social e jurídico terá em conta os princípios e valores consagrados na Carta e no regulamento do Conselho da Europa (Convenção de Oviedo). É possível desenvolver princípios e critérios europeus para a atribuição e priorização dessas medidas de saúde, como vacinas e ventiladores?

  1.  Conhecimento, ciência e dados em tempos de Coronavírus

O conhecimento e a tecnologia que se baseia nele sustentam nosso mundo. Nunca foram tão cruciais em nossas vidas e nunca tiveram tanto valor econômico e social. No entanto, nem certos avanços científicos e desenvolvimentos tecnológicos jamais foram tão desconfiados por tantas pessoas, mesmo ao ponto de extremo negacionismo. Enquanto alguns acreditam que cientistas e especialistas são essenciais para fornecer soluções para os grandes problemas que enfrentamos, para outros eles são responsáveis ​​por todos os males. Enquanto há aqueles que esperam que o conhecimento nos leve além do erro e da ignorância e que a tecnologia resolva quase todos os nossos problemas e nos traga uma vida melhor, também há aqueles que temem que eles estejam nos levando aos piores problemas. A pandemia apenas evidenciou e até exacerbou essa situação aparentemente paradoxal. Basta pensar no grande número de pessoas que não apenas rejeitam as vacinas, mas até negam a própria doença.

A capacidade de algoritmos e computadores de extrair de enormes quantidades de dados o que está fora do alcance do conhecimento humano e sua capacidade de análise, leva-nos a pensar no imenso potencial dos dados – que passaram a ser comparados, de forma inadequada, mas símile muito popular, ao novo petróleo – e ao mesmo tempo ao Big Brother que Orwell nos descreveu décadas atrás. A autonomia tecnológica, a disponibilidade e reutilização dos dados, a sua segurança, privacidade, confiança nos sistemas baseados em dados, são algumas das questões sobre as quais não há unanimidade, nem na Terra nem mesmo na União Europeia.

Essa situação que descrevemos é influenciada por contextos políticos, culturais, históricos, educacionais, geopolíticos. É importante analisá-los, pois é preciso compreender um fenômeno que não só não pode ser ignorado, mas deve ser explicado e confrontado. Não há alternativa se queremos que a Europa caminhe firmemente para uma união em torno do conhecimento e do desenvolvimento tecnológico. Uma Europa que respeite as pessoas e os seus direitos individuais e coletivos, onde a ciência e a tecnologia sirvam ao bem comum e não como amplificadores de todo o tipo de desigualdades.

No decorrer deste capítulo, além de descrever esses aparentes paradoxos, o grupo de trabalho se concentrará na análise de suas causas e consequências e em que medida são influenciadas por diferentes contextos nacionais inter e intra-regionais.

Frederico de Montalvo por FIDE Fundação

Membros do GT:

líder:

Frederico de Montalvo

Presidente do Comitê Espanhol de Bioética, IBC UNESCO (Líder do GT)

Amigo Construtivo:

Rosário Cospedal Garcia

Diretor Geral de Genômica. Membro de FideConselho Acadêmico Internacional. (Amigo construtivo do GT).

Lama Senen

Diretor Científico do CiTIUS-Centro de Investigação em Tecnologias Inteligentes da Universidade de Santiago de Compostela

Daniel Innerarity

Professor de filosofia política e social, pesquisador IKERBASQUE da Universidade do País Basco e diretor do Institute for Democratic Governance. Ele é professor em tempo parcial no Instituto Universitário Europeu de Florença.

Gabriel Lopez Serrano

Diretor de Assuntos Regulatórios da Microsoft Ibérica

Concha Serrano

Diretor de Relações Institucionais, Pfizer SLU

Margarida do Vale

Cientista Pesquisador do CSIC, Chefe do Grupo de Imunologia Viral do Centro de Biologia Molecular Severo Ochoa (CSIC-UAM), membro do Comitê Consultivo de Especialistas em Vacinas da Comunidade de Madrid.

* Nota importante: Todos os membros dos Grupos de Trabalho e painéis participam a título individual e não institucional, embora reflitamos cada participante com sua posição atual nos diferentes documentos de trabalho para melhor identificá-los.

Conferência de Oxford /22:

Nacionalismo, populismo e identidades: desafios contemporâneos.

Contacto

Preencha o formulário e alguém de nossa equipe entrará em contato com você em breve.